Juliana Lahóz | Curitiba - PR
Chácara aconchegante

Para fugir um pouco da correria do dia a dia, que tal um lugar para descanso e lazer? Construída em uma área de 54 mil metros quadrados, a residência campestre de uma chácara, localizada em Araucária, apresenta ambientes internos equipados apenas com o essencial, já que a intenção é justamente privilegiar o convívio ao ar livre. O escritório Juliana Lahóz Arquitetura preocupou-se em valorizar a vida no campo, permitindo a praticidade do uso, sem muita manutenção.

A madeira é amplamente usada, tanto estruturalmente quanto na decoração. O telhado da casa mantém sua estrutura toda aparente e o revestimento foi utilizado também no deck e pergolado (ao redor da casa e no pequeno lago de carpas). A arquiteta Juliana Lahóz comenta que o aspecto rústico foi o principal motivo inspirador para o uso da madeira. “Deixá-la aparente nos fornece vantagens de acabamento, limpeza e agilidade na obra, evitando revestimentos demasiados e acabamentos complementares, como massas e pintura”, explica.

O sistema construtivo adotado na residência foi o uso de tijolos ecológicos, que são uma mistura de argila e cimento não queimado em forno, mas curados com água. “Assim, não geram gazes poluentes, nem tão pouco se beneficia do desmatamento, que em média para a queima de 1000 unidades de tijolos cerâmicos convencionais, são utilizados cerca de 6 arvores de médio porte” (fonte fabricante). Com esse material, o peso das estruturas é distribuído ao longo da parede, portanto, não há necessidade de superestrutura de concreto, além de serem esteticamente bonitos quando aparentes.

Nenhum produto coincide com esta seleção.

Para fugir um pouco da correria do dia a dia, que tal um lugar para descanso e lazer? Construída em uma área de 54 mil metros quadrados, a residência campestre de uma chácara, localizada em Araucária, apresenta ambientes internos equipados apenas com o essencial, já que a intenção é justamente privilegiar o convívio ao ar livre. O escritório Juliana Lahóz Arquitetura preocupou-se em valorizar a vida no campo, permitindo a praticidade do uso, sem muita manutenção.

A madeira é amplamente usada, tanto estruturalmente quanto na decoração. O telhado da casa mantém sua estrutura toda aparente e o revestimento foi utilizado também no deck e pergolado (ao redor da casa e no pequeno lago de carpas). A arquiteta Juliana Lahóz comenta que o aspecto rústico foi o principal motivo inspirador para o uso da madeira. “Deixá-la aparente nos fornece vantagens de acabamento, limpeza e agilidade na obra, evitando revestimentos demasiados e acabamentos complementares, como massas e pintura”, explica.

O sistema construtivo adotado na residência foi o uso de tijolos ecológicos, que são uma mistura de argila e cimento não queimado em forno, mas curados com água. “Assim, não geram gazes poluentes, nem tão pouco se beneficia do desmatamento, que em média para a queima de 1000 unidades de tijolos cerâmicos convencionais, são utilizados cerca de 6 arvores de médio porte” (fonte fabricante). Com esse material, o peso das estruturas é distribuído ao longo da parede, portanto, não há necessidade de superestrutura de concreto, além de serem esteticamente bonitos quando aparentes.